FAPESP Logo

Efeitos da ventilação mecânica convencional e de alta frequência baseadas no ponto de inflexão inferior da curva P-V sobre o surfactante pulmonar

Pesquisador responsável:

Celso Moura Rebello

Beneficiário:

Instituição: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo: 07/08594-6
Vigência: 01 de julho de 2008 - 30 de junho de 2010
Assunto(s):

Pediatria

Unidades de terapia intensiva

Respiração artificial

Síndrome do desconforto respiratório em adultos

Síndrome do desconforto respiratório do recém-nascido

Surfactantes pulmonares

Ventilação de alta frequência

Resumo
A Síndrome do Desconforto Respiratório do tipo Agudo é uma doença respiratória de alta prevalência em unidades de terapia intensiva adultas e pediátricas, e está associada a uma elevada taxa de mortalidade, em todas as faixas etárias de pacientes acometidos. Na sua fisiopatologia, a disfunção do surfactante pulmonar tem um papel de destaque, incluindo alterações na sua composição e inibição de sua função biofísica de redução da tensão superficial. Na síndrome do desconforto respiratório do tipo agudo há baixas concentrações de fosfatidilcolina e fosfatidilglicerol e altas concentrações de fosfatidilinositol e lisofosfatidilcolina, além de diminuição das proteínas associadas ao surfactante (SP-A, SP-B, SP-C, SP-D). Esta disfunção tem sido atribuída à lesão nos pneumócitos tipo II e ao aumento da permeabilidade alveolar permitindo a degradação e inativação do surfactante por proteases e lipases presentes no edema inflamatório alveolar. Por outro lado, sabe-se que tanto a ventilação mecânica convencional como a ventilação de alta frequência influenciam a composição e a função do surfactante, através da conversão de sua fração funcionalmente ativa, mais densa (agregados grandes), em sua fração inativa, menos densa (agregados pequenos), podendo piorar a disfunção do sistema surfactante. Esta alteração da composição do surfactante foi descrita com a mudança da área de superfície alveolar associada à instalação da ventilação mecânica, sendo especificamente relacionada ao uso de volumes correntes altos. Os agregados grandes (AG) consistem em corpos lamelares, mielina tubular, fosfofolipídeos complexos e proteínas do filme do surfactante, sendo sua forma com propriedades biofísicas mais significativas. Os agregados pequenos (AP) são formas vesiculares, contêm menos proteínas do surfactante e exibem pouca função quando testadas in vitro ou in vivo. Por outro lado, é conhecido que a lesão pulmonar induzida pelo ventilador e sua consequente lesão do sistema surfactante podem ser minimizadas através da utilização de técnicas de ventilação protetoras. Assim, na ventilação mecânica convencional a utilização de baixos volumes-correntes com limitação das pressões respiratórias permitindo a hipercapnia com acidemia controlada, evitando o colabamento alveolar no final de expiração se mostrou efetiva. De maneira semelhante a utilização de pressão expiratória final positiva (PEEP) acima do ponto de inflexão inferior da curva pressão-volume pulmonar (curva PV) protege o pulmão por evitar atelectasia alveolar ao final de cada ciclo respiratório. Já a ventilação de alta frequência tem sido proposta como modo de ventilação protetora em decorrência da utilização de baixos volumes-correntes, alta frequência respiratória e manutenção de pressões médias de vias aéreas adequadas. O presente estudo visa testar a hipótese de que, utilizando o ponto de inflexão inferior da curva PV para a escolha do PEEP (na ventilação convencional protetora), e da pressão média das vias aéreas (na ventilação de alta frequência), haveria equivalência na agressão ao filme de surfactante em um modelo experimental da Síndrome do Desconforto Respiratório do Tipo Agudo, resultando em relação agregados maiores/menores semelhantes, uma vez que ambas as estratégias ventilatórias minimizariam a agressão tanto do pulmão como do filme de surfactante. (AU)

CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP