FAPESP Logo

Efeitos renais da dexmedetomidina como adjuvante a anestesia geral combinada a anestesia peridural em pacientes oncológicos submetidos a cirurgias urológicas

Pesquisador responsável:

Paulo do Nascimento Junior

Beneficiário:

Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo: 09/51984-5
Vigência: 01 de setembro de 2009 - 31 de agosto de 2011
Assunto(s):

Anestesia geral

Anestesia peridural

Dexmedetomidina

Insuficiência renal

Oncologia

Resumo
A insuficiência renal aguda (IRA) é definida como o rápido declínio da função renal, com acúmulo de metabólitos, elevação dos níveis séricos de eletrólitos, uréia e creatinina. A mortalidade chega a mais de 80%, em pacientes pós-cirúrgicos que desenvolvem IRA. O objetivo deste estudo é avaliar a função renal em pacientes oncológicos submetidos a cirurgias urológicas radicais sob anestesia geral combinada a anestesia peridural, tendo como fármaco adjuvante a dexmedetomidina administrada por via venosa. Participarão do estudo 30 pacientes de ambos os sexos, com idades entre 30 e 65 anos, com função renal normal e que não tenham contra indicações para realização do bloqueio peridural. A anestesia peridural será realizada com dose fixa de 20 mL de ropivacaína a 0,75% com 2 mg de morfina em todos os pacientes. A indução da anestesia será realizada 20 minutos após a injeção peridural, com a administração por via venosa de propofol e cisatracurio. A manutenção anestésica será realizada com propofol em infusão alvo controlada e de administração de bolus de cisatracúrio venoso e ropivacaína peridural, caso necessário. A infusão da solução estudada será realizada de modo duplamente encoberto, que poderá ser: Grupo Dexmedetomidina (n = 15): solução de cloreto de sódio a 0,9% com dexmedetomidina na concentração de 2 μg.ml-1: dose inicial de 1 μg.kg-1.h-1, seguida da administração de 0,7 μg.kg-1.h-1 (0,35 mL.kg-1.h-1) até o final do procedimento cirúrgico; Grupo Controle (n = 15): solução de cloreto de sódio a 0,9%: dose inicial de 0,5 mL.kg-1.h-1, seguida da administração de 0,35 mL.kg-1 .h-1 até o final do procedimento cirúrgico. A avaliação da função renal será realizada com as dosagens plasmáticas da creatinina, cistatina, vasopressina e depuração plasmática da creatinina nos quatro primeiros dias de pós-operatório. (AU)

CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP