FAPESP Logo

A morfologia craniofacial e sua influência no desenvolvimento da otite média serosa em crianças

Pesquisador responsável:

Renata Cantisani Di Francesco

Beneficiário:

Instituição-sede da pesquisa: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo: 03/04866-0
Vigência: 01 de outubro de 2003 - 30 de setembro de 2004
Assunto(s):

Otite média

Tuba auditiva

Resumo
A otite média serosa é muito mais freqüente nas crianças e isto se deve a conformação anatômica da tuba auditiva que é mais horizontal na criança que no adulto. É durante o crescimento e desenvolvimento craniofacial que a toda auditiva adquire a sua posição mais vertical. Em outro estudo observamos que pacientes adultos com otite média crônica, apresentam características faciais que mostram desenvolvimento anormal da face: profundidade maxilar, ângulos entre as bases anterior média do crânio, altura facial inferior, e altura total da face. Em pacientes mau-formações faciais são mais propensos a tal patologia. O tratamento e a evolução das otites médias em crianças é muito controverso, sendo que o último pode ser clínico ou cirúrgico, com freqüentes recidivas. O estudo da morfologia craniofacial pode contribuir para esclarecimentos de sua fisiopatologia, permitindo o desenvolvimento de novas formas de tratamento e prevenção. O objetivo deste trabalho é avaliar se há correlação da morfologia craniofacial também em crianças. Serão avaliadas 80 crianças, divididas em dois grupos (AU)

CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP