Busca avançada
Ano de início
Entree

Exercício físico e controle autonômico na fisiopatologia cardiovascular

Processo: 05/59740-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Temático
Vigência: 01 de agosto de 2006 - 31 de julho de 2010
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Carlos Eduardo Negrão
Beneficiário:Carlos Eduardo Negrão
Instituição-sede: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Auxílios(s) vinculado(s):09/10741-2 - ESC Congress 2009, AR.EXT
Bolsa(s) vinculada(s):06/58370-4 - Efeito do treinamento físico sobre a atrofia muscular associada a insuficiência cardíaca: contribuição do sistema proteolítico ubiquitina proteossoma dependente de ATP, BP.MS
06/61046-4 - Estudo de mutações no gene fosfolambam em pacientes com cardiomiopatia dilatada, BP.PD
06/57164-1 - Efeito do treinamento físico aeróbio sobre a via clássica do sistema renina angiotensina na cardiomiopatia induzida por hiperatividade simpática, BP.MS
06/57836-0 - Efeito do treinamento físico na expressão de proteínas que transportam Ca2+ e participam do sistema proteolítico dependente de Ca2+ na musculatura esquelética em modelo experimental de insuficiência cardíaca, BP.MS
Assunto(s):Exercício físico  Fisiologia do exercício  Mutação  Fisiopatologia  Cardiologia  Doenças cardiovasculares 
Publicação FAPESP:http://www.fapesp.br/tematicos/saude_negrao.pdf

Resumo

Este projeto temático tem por objetivo investigar os efeitos do exercício físico na fisiopatologia cardiovascular, a partir de estudos em cinco subáreas do conhecimento da cardiologia e fisiologia do exercício. 1) Insuficiência cardíaca e coronariopatia aguda, onde serão estudados os efeitos do exercício físico agudo e crônico em modelo de animal geneticamente modificado que desenvolve insuficiência cardíaca por hiperativação simpática no coração e em pacientes portadores de insuficiência cardíaca em estágio avançado, numa associação de estudos em animais de experimentação e em seres humanos. Nesta linha de investigação, será aproveitada a experiência do grupo em controle autonômico para estudar, também, o controle neurovascular na fase aguda do infarto do miocárdio. 2) Síndrome metabólica, onde serão estudados o impacto do exercício físico associado à dieta hipocalórica e o impacto do exercício físico associado à dieta hipocalórica e o impacto da dieta hipocalórica isoladamente, em pacientes com síndrome metabólica, com especial atenção nos mecanismos candidatos para explicar a simpatoexcitação nestes pacientes. Nesta linha de investigação serão estudados, também, os impactos do exercício e da dieta hipocalórica no transporte de cálcio e, consequentemente, na função ventricular, em ratos obesos. 3) Exercício físico e controle autonômico em portadores de mutação genética, onde serão investigados os efeitos agudo e crônico do exercício em indivíduos portadores de mutação genética que ocorre naturalmente na população, com especial atenção na enzima conversora, angiotensina, angiotensinogênio, receptores B2-adrenérgicos e óxido nítrico endotelial, na tentativa de entender as variações nos fenótipos expressos em decorrência do exercício físico. 4) Controle autonômico do coração em atletas pacientes com síncope neurocardiogênica e fibrilação atrial, onde serão investigas as adaptações autonômicas provocadas pelo exercício crônico nas diferentes fases de treinamento, em atleta de alto nível. Nesta linha de investigação serão estudados, também, os efeitos do treinamento físico e do treinamento postural em pacientes com síncope neurocardiogênica. Além disso, uma nova abordagem de intervenção durante estudo eletrofisiológico no tratamento da fibrilação atrial será testada. 5) Exercício físico e esteróides anabolizantes no sistema cardiovascular, onde serão investigados os efeitos do treinamento físico associado à administração de esteróides anabolizantes em animais de experimentação, com especial atenção no remodelamento cardíaco, estrutura dos miócitos e fluxo coronário, e no sistema renina angiotensina local e sistêmico. (AU)