site da FAPESP
FAPESP na Mídia

Publicado em: Comércio da Franca em 30 de Dezembro de 2001

Chá de quebra-pedra evita cálculos renais

O chá de quebra-pedra, receita passada de mãe para filha para combater os doloridos cálculos renais, ganha comprovação científica. Não funciona exatamente como prega a crença popular, quebrando as pedras dos rins. Mas evita que elas se formem e ajuda a expeli-las. Pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) estudaram a Phyllantus niruri, nome científico da planta da qual é feito o chá, e chegaram a algumas conclusões. Apesar de ainda não terem compreendido todos os mecanismos de ação do chá, já sabem que ele reverte a polaridade da carga dos cristais de oxalato de cálcio, o componente químico do qual é feita a maioria das pedras renais, impedindo que se aglomerem para formar os cálculos. As pesquisas também revelaram que o chá relaxa o sistema urinário, ajudando o organismo a eliminar as pedras. "Na pior das hipóteses, o chá de quebra-pedra é tão eficaz quanto as drogas convencionais usadas para tratar de cálculos renais", afirma Nestor Schor, teria sobre o estudo publicado na revista Pesquisa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Além de evitar que os cristais se aglomerem e se prendam à parede celular, a infusão com Phyllantus niruri altera a estrutura dos oxalatos mais maléficos ao organismo. São os cristais monoidratados, que com a ação do chá se transformam em diidratados e têm maior dificuldade de aderir à parede celular. Os cálculos renais já atormentavam a vida dos egípcios há pelo menos sete mil anos. Cerca de 10% da população tem pedras nos rins, cujo tamanho varia em geral de um grão de areia ao de uma pérola.