site da FAPESP
FAPESP na Mídia

Publicado em: O Imparcial (Presidente Prudente, SP) em 11 de Novembro de 2001

Saúde: Os flavonóides contra os radicais livres

Por Prof. Antônio Carlos Massabni

Os flavonóides são substâncias fenólicas isoladas de um grande número de plantas. São conhecidos cerca de 5000 compostos que pertencem a esta classe. Os flavonóides naturais, que ocorrem em muitas frutas e vegetais são chamados de bioflavonóides. Nas plantas, os flavonóides dão cores às frutas e às flores e tem várias funções. São antioxidantes, antimicrobianos, receptores de luz, repelentes de insetos e funcionam como filtros da luz solar. Muitos estudos sugerem que os flavonóides possuem atividades biológicas, podendo funcionar como antialérgicos, antivirais, antiinflamatórios e vasodilatadores. A atividade antioxidante dos flavonóides é a que desperta mais interesse dos pesquisadores. A ação antioxidante dessas substâncias impede a formação e até elimina os radicais livres do nosso corpo. Vários estudos epidemiológicos demonstram que os bioflavonóides existentes em frutas frescas e em muitos vegetais, garantem ao nosso corpo um efeito protetor contra cânceres, doenças do coração e derrames. Consumidores de frutas e vegetais têm, normalmente, um aspecto saudável, que pode ser um fator importante para o aumento de sua resistência a doenças crônicas. De um modo geral, frutas e vegetais desempenham um papel preventivo devido à variedade de seus, constituintes, entre os quais se incluem vitaminas, sais minerais, fibras e numerosos produtos fitoquímicos, como os flavonóides. Há evidências, mas falta a comprovação científica, de que os flavonóides exercem este efeito protetor contra muitas doenças dos seres humanos. Um estudo epidemiológico, realizado em 1998, comprovou o efeito protetor dos bioflavonóides, existentes em frutas, vegetais, vinho tinto e chás, contra doenças coronárias e derrames. Testes de laboratório demonstraram que os flavonóides atuam como antioxidantes evitando a formação de radicais livres devido a inibição de enzimas ou a complexação de íons metálicos envolvidos na produção destes radicais. Os flavonóides inibem a atividade das enzimas responsáveis pela produção do ânion superóxido, como a xantina-oxidase e a proteínas-quinase C. Eles inibem também outras enzimas envolvidas na geração de espécies oxigenadas ativas. Alguns flavonóides são complexantes eficientes de metais, que desempenham importante papel no metabolismo do oxigênio. Íons livres de ferro e de cobre são potenciais promotores da formação radicais livres. No entanto, é importante lembrar que estes íons metálicos são essenciais para muitas funções fisiológicas do corpo humano, como constituintes de proteínas e cofatores de muitas enzimas, envolvidas nós mecanismos da defesa antioxidante. Muitos estudos têm sido realizados no sentido de se conhecer melhor o mecanismo da ação antioxidante dos bioflavonóides. Nestes trabalhos, procura-se identificar os produtos resultantes da hidrólise dos flavonóides após sua absorção parcial pelo corpo humano. No Instituto de Química de Araraquara (IQAr) - UNESP, a Profª Vanderlan da Silva Bolzani desenvolve projetos de pesquisa com espécies de plantas do Cerrado e da Mata Atlântica. Algumas espécies investigadas acumulam grande número de flavonóides. Vários dos compostos isolados apresentam propriedades terapêuticas, de interesse da indústria farmacêutica e de cosméticos. Uma planta da família do ipê roxo, freqüente no cerrado de S. Paulo e nos arredores de Araraquara, vem sendo estudada pela doutoranda Patrícia Mendonça Pauletti, bolsista da Fapesp. A planta é empregada na lavagem de ferimentos da pele, devido à sua ação cicatrizante. Vários flavonóides foram isolados da planta e um deles apresenta forte ação antioxidante e antimalárica. Os produtos utilizados no tratamento da malária são importantíssimos para um país tropical, como é o Brasil, mas não interessam aos países ricos. O flavonóide isolado pela Profª Vanderlan e seu grupo deverá ser objeto de pedido de patente em futuro próximo. Antônio Carlos Massabni Professor Titular Aposentado Instituto de Química -Araraquara - UNESP