site da FAPESP
FAPESP na Mídia

Publicado em: G1 (Sorocaba e Jundiaí) em 6 de Agosto de 2017

Pesquisadores criam nelore musculoso a partir do cruzamento com raça europeia

Cerca de R$ 2 milhões foram investidos na pesquisa que levou 15 anos. Objetivo é alcançar carcaça semelhante a do gado europeu com os benefícios do nelore.

A musculatura do animal melhorado geneticamente é diferenciada e não precisa de academia para obter o resultado. Ela fica ainda mais visível quando o bezerro é colocado ao lado de um que não participou do programa.

Rodrigo Vitório Alonso tem um rebanho com 700 bezerros musculosos, resultado do cruzamento com a raça europeia belgian blue, ou belga azul. A principal vantagem do gado "bombado" geneticamente é o ganho de carcaça do animal.

Ele diz que o objetivo com a linhagem nelore musculoso, chamado de myo, é alcançar uma carcaça semelhante a do gado europeu.

"Mas trazendo as vantagens do nelore, como adaptabilidade, rusticidade e resistência à temperatura e ao carrapato. São características importantes para o sistema de produção do Brasil que é extensivo", explica.

Para chegar ao resultado, cerca de R$ 2 milhões foram investidos na pesquisa que levou 15 anos. Parte do projeto foi financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

"Hoje, temos animais que são acima de 99% nelore, mas que tem o polimorfismo no gene da miostatina, que é o grande causador dessa maior musculatura, maior rendimento de carcaça", diz Rodrigo.

Marcos Franke é professor da Unesp de Araçatuba e trabalha com tecnologia de carne. Ele participou do primeiro abate técnico dos animais para analisar a maciez da carne e explica como é possível aumentar a musculatura do gado.

"O rolo muscular não é maior em função de exercício físico, esses animais têm o aumento do número de célula musculares, a chamada hiperplasia. Então as células não são aumentadas em diâmetro, elas são aumentadas em número."

O pecuarista Silvio Pires Soubhia apostou na ideia e conta que não houve agregação de custo, nem aumento de funções na fazenda. Já a produtividade, de acordo com o criador, cresceu e a rentabilidade na carcaça atingiu 10% a mais em comparação com a do nelore convencional.

Kleber Luís Suzuki também está animado com o nelore musculoso e acha que, quanto mais avançar no aproveitamento da carcaça, melhor. "A pecuária é muito mal aproveitada, quando vedemos ao frigorífico perdemos quase metade do boi, o que puder recuperar em carne, é um ótimo negócio."

Análise de gene

Uma das etapas do manejo do nelore musculoso é colher pelos do rabo do animal e enviar ao laboratório. Em seguida, 12 pesquisadores trabalham com a análise de gene, em que são extraídas e identificadas as amostras do DNA.

O resultado fica pronto em quatro dias e o trabalho é importante para definir futuros cruzamentos, evitando assim complicações na raça.

O médico veterinário Pier Kenji explica que é importante identificar os animais que carregam a mutação, para que assim seja possível direcionar os acasalamentos, "evitando que esses genes sejam passados em proporções que possam acarretar problemas posteriores, como a dificuldade de parto".

Por Nosso Campo, TV TEM

Fonte: http://g1.globo.com/sao-paulo/sorocaba-jundiai/nosso-campo/noticia/pesquisadores-criam-nelore-musculoso-a-partir-do-cruzamento-com-raca-europeia.ghtml