site da FAPESP
FAPESP na Mídia

Publicado em: O Globo em 27 de Junho de 2000

DNA humano é decifrado abre nova fronteira na ciência

Considerada uma das maiores conquistas da ciência - comparada por cientistas à descoberta da roda, do antibiótico e à chegada do Homem à Lua - foi anunciada ontem a conclusão do primeiro rascunho do genoma (código genético) humano. Após dez anos de trabalho, cientistas do consórcio público internacional Projeto Genoma Humano e da empresa americana Celera identificaram a composição de 97% dos genes do homem. Divulgadas simultaneamente nos EUA e em Londres pelo presidente Bill Clinton e pelo primeiro-ministro Tony Blair, as informações estarão disponíveis gratuitamente na Internet e vão deflagrar uma revolução na medicina. Clinton e Blair disseram que o dia de ontem marcou o início de uma nova era para a Humanidade. Acompanhado do coordenador do consórcio público nos EUA, Francis Collins, e do diretor da Celera, Craig Venter, Clinton afirmou que o genoma guarda as informações para combater o câncer e as doenças cardíacas e fazer as pessoas viverem mais e melhor. Blair declarou que os avanços do genoma humano afetarão a vida de cada pessoa no planeta e que a Humanidade tem pela frente desafios éticos, legais e morais para que o conhecimento revelado agora seja usado em benefício de todos AS PROMESSAS DO GENOMA - TERAPIA GENÉTICA: Genes começam a ser usados como remédios para doenças antes incuráveis. Geneticistas já testam tratamentos contra males cardíacos e câncer. - DIAGNÓSTICO PRECISO: Exames simples detectam propensão a doenças, como o mal de Alzheimer. - REMÉDIOS SOB MEDIDA: Medicamentos poderão ser personalizados para evitar efeitos colaterais. - BEBÊS SOB ENCOMENDA: Pais poderão escolher características de seus filhos, evitando que nasçam com propensão a doenças. - AJUDA À JUSTIÇA: Exames mais avançados de DNA identificam suspeitos de crimes com precisão. COMO FUNCIONA O CÓDIGO DA VIDA O rascunho do genoma (código genético) apresentado ontem contém as instruções para criar um ser humano. Os cientistas disseram que o rascunho contém cerca de 97% dos genes do homem CORPO - É o DNA (a molécula do código genético) que determina a função de cada uma das cerca de cem trilhões de células humanas, formando sangue, pele, ossos e todos os outros tecidos humanos CÉLULAS - Cada célula tem 46 cromossomos (a exceção são as células sexuais que só têm 23 e as hemácias, que não têm nenhum) com todas as informações necessárias para formar um ser humano CROMOSSOMOS - Os cromossomos são pacotes de DNA dentro do núcleo das células. Uma pessoa herda 23 cromossomos do pai e outros 23 da mãe DNA - A molécula de DNA é formada por quatro bases químicas: adenina, guanina, cítosina e timina. Essas bases se ligam - adenina (A) sempre com timina (T) e guanina (G) com citosina (C). O genoma inteiro tem três bilhões de pares de bases. Cada célula humana contém aproximadamente dois metros de DNA GENES - Os genes são pedaços (seqüências) de DNA. Cada gene tem instruções para a produção de uma proteína. São as proteínas que controlam todos os processos da vida de uma pessoa, do nascimento à morte O MAPA DE UMA NOVA ERA Bem-vindo ao futuro. Poucas coisas sintetizam tão bem as imagens futuristas da medicina quanto o anúncio de que cientistas e empresários têm nas mãos a receita para fazer um ser humano. Ainda é um rascunho. Mas é o rascunho da vida e só por existir já garantiu lugar na lista dos grandes marcos da História da ciência. O anúncio de que o homem decifrou 97% das informações para criar a si próprio foi feito ontem, simultaneamente em Washington e Londres, pelo presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, e pelo premier da Grã-Bretanha, Tony Blair, cujos governos apoiaram as pesquisas. - A Humanidade acaba de entrar ima nova era - disse Blair. - É um dos mapas mais importantes e valiosos já produzidos pelo homem - afirmou Clinton. Cientistas dizem que é cedo para esperar resultados práticos, mas essa é a primeira vez que o homem tem nas mãos seu manual de criação. Não é sem motivo que a conquista do genoma seja considerada o maior feito da medicina desde a invenção dos antibióticos e um passo tão grande quanto a chegada do homem à Lua. O rascunho do genoma foi produzido por grupos rivais há até poucos meses, o Projeto Genoma Humano (consórcio público internacional liderado por EUA e Grã-Bretanha) e a empresa americana Celera, do geneticista Craig Venter. Os líderes do consórcio público, o americano Francis Collins e seu colega inglês John Sulston, apresentaram um trabalho acima da expectativa: 85% das informações genéticas foram postas na ordem certa. Porém, apenas 24% do genoma estão no que os cientistas chamam de padrão de ouro, isto é, completamente fiel à natureza. DADOS DIVULGADOS NA INTERNET Segundo Clinton, os grupos rivais selaram a paz e acertaram publicar seus resultados na revista americana "Science". Os dados do consórcio público estão sendo divulgados de graça na Internet. Venter promete fazer o mesmo com a maior parte de seu trabalho (que não é idêntico ao do consórcio), mas disse que poderá patentear algumas descobertas. As informações do rascunho anunciado ontem levarão anos até serem completamente decifradas. Ninguém espere para amanhã descobrir que genes tornam os olhos de uma pessoa castanhos. O câncer continua a ser um inimigo formidável. O ser humano não é apenas uma coleção de genes, mas eles são a matéria-prima. - Vivemos hoje um dos dias mais significativos da História. O livro com a história genética da Humanidade tem potencial para influenciar a vida de cada pessoa no planeta. Imaginei que fosse comparável à invenção da roda, mas estava errado. É mais do que isso. A tecnologia pode fazer a roda obsoleta. Mas esse é o código da essência da Humanidade e enquanto o homem existir, não ficará obsoleto - disse John Sulston. DESCOBERTA TAMBÉM TRAZ RISCOS O livro do genoma, aberto ontem, traz promessas de bonança, como tratamentos definitivos para o câncer, doenças cardíacas e outras enfermidades. Mas traz também lembranças do pesadelo nazista, das políticas de eugenia contra portadores de genes ligados a doenças e quaisquer outras características físicas. Os mesmos testes de diagnóstico que podem ajudar uma pessoa com predisposição genética para doenças cardíacas a prevenir complicações podem ser usados por seguradores e empregadores para discriminá-la. A promessa de alterar fetos no útero e evitar que nasçam doentes também é vista com desconfiança. O especialista em biotecnologia Lee Silver, da Universidade de Princeton, diz que a era dos bebes sob medida também poderá marcar o surgimento de "subclasses genéticas" QUEM SÃO OS HOMENS DO GENOMA CRAIG VENTER Dono da empresa Celera, Venter foi por muito tempo considerado um vilão na corrida pelo genoma, porque assume que pretende lucrar com os dados que vem reunindo. Ele decidiu ser médico quando lutava na Guerra do Vietnam. Trabalhou no Instituto Nacional de Saúde dos EUA e envolveu-se com a pesquisa pública do genoma. Em 92, sob o argumento de que o ritmo da empreitada estava lento demais, saiu do Governo para fundar um instituto privado de pesquisas, responsável pelo primeiro mapeamento do genoma de uma bactéria. Em 98, criou a Celera e obteve em um ano dados que o Projeto Genoma levou uma década para acumular. FRANCIS COLLINS Diretor do Instituto Nacional de Pesquisa do Genoma Humano dos EUA, Collins é o responsável pela coordenação do projeto internacional público lançado no início da década de 90 com o objetivo de decifrar o código genético do homem - o Projeto Genoma Humano. Ele é médico e fez descobertas importantes no estudo da genética, identificando os genes causadores da fibrose cística, da neuro-fibromatose e da doença de Huntington. É árduo defensor do livre acesso aos dados sobre o genoma humano e diz que patentes de genes podem dificultar a revolução que se espera na medicina a partir desses conhecimentos. JOHN SULSTON O chefe do Projeto Genoma na Grã-Bretanha dedicou 30 anos de pesquisas a um verme. O estudo do C. elegans - que em 98 tornou-se o primeiro animal a ter o genoma decifrado - foi primordial para o aperfeiçoamento da pesquisa dos genes humanos. Desde 92, Sulston é diretor do Centro Sanger, em Cambridgeshire, que coordena uma rede de laboratórios que seqüenciou 30% dos genes incluídos no rascunho. Ele diz que herdou da religiosidade dos pais o senso de que deveria trabalhar pelo bem-estar social e deixar o dinheiro em segundo plano. Sulston chama o uso do genoma para fins comerciais de imoral e nojento. SAIBA MAIS SOBRE O CÓDIGO GENÉTICO 1900 - Redescoberta dos princípios da hereditariedade 1902 - Descoberta a conexão entre cromossomos e hereditariedade 1865- Gregor Mendel descobre as leis da hereditariedade a partir de um estudo com ervilhas. Seu estudo foi ignorado por 34 anos 1966 - Marshall Nirenberg. H. Gobind Khorana e outros decifram o código genético, no qual o RNA mensageiro determina a produção de aminoácidos (componentes das proteínas) 1976 - Fundada nos EUA a Genentech, a primeira empresa de engenharia genética 1984 - Criado o primeiro teste de identificação genética (DNA fingerprinting) 1986 - O Projeto Genoma Humano e anunciado. Sua meta é seqüência todo genoma e obter um catálogo completa década gene 1944 - Provado que o DNA carrega o material hereditário 1953 - James Watson e Francis Crick anunciam a descoberta do modelo da estrutura do DNA 1973 - A era da engenharia genética começa quando Stanley Cohen e Herbet Boyer transferem um gene pela primeira vez. Eles inseriram um gene de sapo africano no DNA de uma bactéria 1983 - Produção das primeiras plantas (tabaco) e animais (camundongos) transgênicos. Começa a caçada a gene associados a doenças genéticas, como a doença de Huntington e a fibrose cística 1985 - Realizadas as primeiras reuniões para seqüenciar todo o genoma humano 1995 - Decifrado o primeiro genoma de um ser vivo, o da bactéria Haemophilus influenza e, causadora de meningite e infecções no ouvido. Nasce a primeira ovelha transgênica (Tracy), que produz leite com proteína 2000 - Abril A Celera anuncia ter concluído 90% do seqüenciamento do genoma CROMOSSOMO - Os cromossomos são pacotes de DNA dentro do núcleo das células. Uma pessoa herda 23 cromossomos do pai e outros 23 da mãe. Se desenrolado, o DNA dentro de cada célula tema dois metros de comprimento DNA - É uma grande molécula que carrega todas as informações, através de um código, para a formação de um ser humano. O código utiliza quatro letras que correspondem aos componentes químicos (as bases) do DNA. Quando uma seqüência deste código é corrompida, podem surgir doenças. 1 - CLONAGEM Como as cadeias de DNA são muito grandes, o primeiro passo é cortá-las em partes menores (com cerca de 150 mil pares de bases cada). Em seguida, os pedaços são clonados utilizando-se bactérias. 2 - SEQÜENCIAMENTO É a identificação das letras (bases) químicas que compõem cada gene humano. Existem quatro bases representadas por letras: A (adenina), T (timina). C (citosina) e G (guanina). A sempre se figa a T e C a G. O DNA tem três bilhões de bases. 3 - ORDENAÇÃO É a colocação das letras de um gene na ordem certa. Somente nessa fase, os cientistas podem "ler" o gene na verdade, uma palavra química. Nessa fase também é feito o mapeamento, isto é, identifica-se o lugar de cada gene dentro de um cromossomo. 4 - IDENTIFICAÇÃO É a última e mais difícil etapa da decifração do DNA. Nela, os genes e suas funções serão totalmente identificados. Ainda está em andamento. RASCUNHO SERÁ SEGUIDO POR AVANÇOS RADICAIS A revolução que a medicina vai atravessar a partir do conhecimento dos genes do homem já começou. Os dados gerados pelo Projeto Genoma Humano vêm sendo utilizados por pesquisadores em todo o mundo, inclusive no Brasil, em busca de aplicações para os novos conhecimentos. Algumas das aplicações descobertas até agora estão sendo largamente utilizadas. Os testes genéticos são o melhor exemplo: mais de quatro milhões desses exames são realizados anualmente nos EUA. Hoje, tudo o que se pode fazer com as falhas detectadas nos testes é aprender a conviver com elas. No futuro, será possível corrigi-las, através de terapia genética. Nesse tipo de tratamento, o remédio administrado é uma versão correta do gene que, no paciente, apresenta um defeito. Terapias genéticas estão sendo testadas em pessoas. Remédios comuns também poderão passar por transformações, modificados para atender melhor às necessidades de cada paciente e agredi-los menos. Para os cientistas envolvidos no seqüenciamento dos genes humanos, se ao menos metade das expectativas geradas em torno das novas informações se concretizar, o esforço já terá valido a pena e transformado para sempre o modo de lidar com as doenças. TESTES GENÉTICOS: Mais de 800 doenças causadas por defeitos nos genes já podem ser identificadas a partir de exames de DNA. O método de diagnóstico é considerado extremamente preciso, porque não se baseia em conseqüências das doenças e, sim, em sua causa. Várias doenças herdadas podem ter os mesmos sintomas, mas cada uma só corresponderá a um tipo de defeito no DNA. A cura dessas doenças hereditárias ainda não é possível, mas constatar o defeito ficou mais simples. Basta uma gota de sangue. Além disso, medidas capazes de controlar ou contornar sintomas podem ser adotadas antes de eles aparecerem. REMÉDIOS PERSONALIZADOS: Um remédio não funciona da mesma maneira para duas pessoas. Algumas são mais suscetíveis a efeitos colaterais e isso pode ser determinado por variações nos genes. Nos EUA, dois milhões de pessoas são internadas a cada ano por causa de efeitos colaterais de medicamentos. Cem mil delas morrem. A partir do conhecimento do genoma, pessoas propensas a reações adversas poderão tomar remédios feitos especialmente para elas. Outras deixarão de gastar dinheiro e tempo com remédios que não funcionam para elas. TERAPIA GENÉTICA: A mais polemicai das aplicações em teste consiste em inocular numa pessoa um vírus inócuo, feito em laboratório, que leva em si uma versão boa do gene que, no paciente, é defeituoso. O vírus entra nas células e as dota do gene necessário. Toda vez que essas células se dividem, dão origem a novas células com a versão correta do gene. A morte de um americano de 18 anos no meio de uma experiência dessas chamou atenção para os riscos do tratamento. Mas o método funcionou para crianças que eram obrigadas a viver em bolhas de plástico por causa de uma doença genética. Os testes mais promissores são com doenças causadas por defeitos num só gene - há mais de quatro mil delas. Doenças cujo aparecimento é influenciado por defeitos em mais de um gene, como câncer e diabetes, são alvos mais difíceis para a terapia genética. INVESTIGAÇÃO CRIMINAL POR DNA: A seqüência com que as bases químicas do DNA aparecem em trechos da molécula são a nova impressão digital. Testes genéticos vêm ajudando a livrar americanos do corredor da morte. Cerca de 90j condenados já escaparam dal execução graças a esse tipo de exame. Por outro lado, a mesma tecnologia levou 1.300 para a cadeia. BIOARQUEOLOGIA E ESTUDO DAS MIGRAÇÕES: O estudo de mutações no cromossomo Y e no DNA encontrado fora do núcleo está ajudando a trançar as rotas migratórias adotadas pelo homem desde a pré-história. Já foi possível associar populações de continentes inteiros a ancestrais comuns. Através desse tipo de estudo, soube - se, por exemplo. Soube-se, por exemplo, que o brasileiro branco de hoje tem 33% o início. BRASIL Coordenador do Projeto Genoma Humano do Câncer no Brasil, o pesquisador Andrew Simpson disse que a contribuição do país poderá ser fundamental para se descobrir a função de cada gene. O método Orestes de seqüenciamento, desenvolvido no Brasil, analisa a área central do gene, onde se concentram as instruções. Os outros métodos se baseiam nas extremidades. - Num ano produzimos 400 mil seqüências de genes expressos no Brasil, ou seja, um quinto do conhecimento mundial. Esperamos chegar a um milhão até o fim do ano - afirmou Andrew Simpson. ENGENHARIA DE BEBÊS: Em tese, será possível escolher as características genéticas que não se deseja que um filho herde. Também será possível incluir características ao gosto dos pais, conferindo ao bebê genes que determinam a cor dos olhos ou o tipo de cabelo desejados, por exemplo. O debate em torno das implicações éticas desses procedimentos pode fazer com que a engenharia de bebês nunca se concretize. DESCOBERTA JÁ SE TORNOU UM NEGÓCIO LUCRATIVO EMPRESAS COMO A CELERA, QUE EM MAIO LUCROU US$ 1 BI NUM DIA, SERÃO VEDETES DO MERCADO A indústria da biotecnologia já está transformando o genoma em dinheiro. Um dos responsáveis pelo rascunho do genoma humano, a Celera havia anunciado, em fevereiro, o seqüenciamento de 97% dos genes da moscadas frutas - que tem milhares de genes iguais aos do homem. O sucesso da descoberta foi responsável pela valorização da companhia na Bolsa de Nova York em US$ 1 bilhão num único dia. Em tese, um novo mercado está se abrindo para três grupos de indústrias ou laboratórios. O primeiro compreende as fábricas de equipamentos para a pesquisa genética. O segundo é o de laboratórios responsáveis pelo desenvolvimento de remédios e terapias para problemas cujas soluções podem estar nos genes. O terceiro corresponde às empresas, como a Celera, que mapeiam genes e descobrem suas funções. Os negócios com biotecnologia prometem dominar a economia no próximo século. Em 1994, a indústria do setor nos Estados Unidos obteve US$ 7 bilhões em vendas, numa época em que empregava 97 mil trabalhadores. No ano passado, as vendas chegaram a US$ 13 bilhões e o número de empregados no setor passou para 153 mil. As empresas que mapeiam genes - além da Celera há outras, como a Human Genomic Sciences (HGS) e a Incyte Genomics - serão responsáveis pelos bancos de dados que a indústria farmacêutica utilizará para desenvolver novos tratamentos para doenças genéticas. Os laboratórios privados vão cobrar pelas informações. O Projeto Genoma Humano, que é uma iniciativa pública, tem por objetivo pôr esses dados à disposição de toda a comunidade científica. No entanto, isso não é garantia de informação de graça para todos. PATENTE FOI OBTIDA A PARTIR DE DADOS PÚBLICOS Embora o DNA - molécula da qual os genes são trechos - ocorra na natureza e não possa ser patenteado, informações sobre como um gene pode funcionar no tratamento de uma doença podem ser registradas por empresas. Com isso, qualquer tratamento desenvolvido, mesmo que por outros laboratórios, resultaria em lucros para essas companhias. A partir de dados públicos, a HGS concluiu que o gene CCR5 pertencia a um grupo que facilita a entrada de vírus em células e patenteou a informação em 1995. Um ano depois, pesquisadores descobriram que o gene é essencial para a ação do vírus da Aids. A HGS, então, anunciou que tinha a patente "de um gene humano que produz o que se acredita ser o ponto de entrada para o HIV". PRECISAREMOS DE DEZ ANOS PARA VER OS EFEITOS O alemão André Rosenthal, de 43 anos, é o diretor do Centro de Seqüenciamento do Genoma do Instituto de Biologia Molecular de Jena, no Leste da Alemanha, que faz parte do Projeto Genoma Humano. O centro conseguiu o oitavo lugar no ranking dos institutos envolvidos no projeto. GRAÇA MAGALHÃES-RUETHER O GLOBO - Quando o Projeto Genoma Humano terá um efeito prático na cura do câncer e de outras doenças? ANDRÉ ROSENTHAL: Espero que os novos conhecimentos ajudem na descoberta de diagnósticos mais seguros e terapias mais eficientes contra o câncer. Mas prefiro ser realista. Precisaremos de dez anos para ver os efeitos práticos. No futuro, os diagnósticos de câncer de mama serão feitos por um geneticista e não mais por meio da morfologia celular. Será muito mais fácil. Não há perigo de que, com as descobertas, as pessoas sejam discriminadas pelo empregador ou pela seguradora? ROSENTHAL: Para evitar isso, os governos devem criar leis que regulamentem o uso dos novos conhecimentos genéticos. Quando a pesquisa começou a andar mais rapidamente? ROSENTHAL: No início era muito lento. Deciframos 90% dos seqüenciamentos nos últimos 12 meses. A revolução começou com os novos seqüenciadores. O senhor é favorável ao uso dos conhecimentos do genoma para melhorar características do ser humano? ROSENTHAL - Não. O importante é descobrir como os genes influem em doenças. SAIBA MAIS SOBRE O GENOMA - O QUE É SEQÜENCIAMENTO DE DNA? É o processo de identificação da ordem exata das três bilhões de bases químicas de quatro tipos (A, C, T, G) que compõem o DNA de cada um dos 24 diferentes cromossomos humanos. O seqüenciamento levará à descoberta de cada gene humano e das regiões que controlam seu funcionamento. - COMO ELE É FEITO? Fragmentos de DNA são analisados isoladamente e têm sua informações remontadas por computadores. - DE QUEM E O GENOMA SEQÜENCIADO PELO PROJETO GENOMA HUMANO E PELA CELERA? O rascunho do genoma humano não representa a cópia do código genético de uma só pessoa. Amostras do DNA de 12 voluntários anônimos estão sendo usadas pelo consórcio público. Já a Celera trabalha com o DNA de cinco pessoas, também não identificadas. - QUAL É A DIFERENÇA DO RASCUNHO PARA A SEQUÊNCIA DEFINITIVA? O rascunho contém cerca de 97% do genoma humano. Ele tem um grau de acurácia menor do que a versão final e as seqüências genéticas não foram ordenadas. Porém, tem informações valiosas para cientistas entenderem mecanismos de funcionamento das células e possibilita a realização de mais testes de diagnóstico genético. No rascunho, cada trecho de DNA é seqüenciado cinco vezes, em vez das dez necessárias para se ter 99,99% de acurácia. A versão final ficará pronta em 2003. - QUANTOS GENOMAS JÁ FORAM COMPLETAMENTE SEQÜENCIADOS? Trinta genomas de microorganismos, entre eles o da bactéria Xylella fastidiosa, feito por cientistas brasileiros, e o de dois animais multicelulares, o do verme Caenorhabditis elegans e o da mosca-das-frutas (Drosophila melanogaster). Mais de cem genomas, entre eles o do chimpanzé, do cachorro e do camundongo, estão em andamento no mundo. A ESSÊNCIA DA HUMANIDADE O GRANDE PRÊMIO A diferença do código genético do homem para o de seu parente mais próximo, o chimpanzé, é de apenas 1,5%. O DNA de homens e camundongos, por exemplo, tem mais de 70% de similaridade. Por isso, cientistas consideram o maior prêmio da pesquisa genômica descobrir quais as pequenas seqüências de DNA que nos fazem ser humanos. BELDADES E GÉNIOS Os seis bilhões de habitantes do planeta dividem 99,9% de seu genoma. Apenas cerca de 0,1% varia de uma pessoa para outra em função da combinação dos genomas dos pais. Essa era diferença entre, por exemplo, a atriz Marilyn Monroe e o físico Albert Einstein. LIVRO DA VIDA Há cerca de três bilhões de letras químicas no genoma. Se ele fosse um livro lido ao ritmo de uma palavra por segundo, oito horas por dia, todos os dias da semana, levaria um século para que fosse concluído. BÍBLIAS E DVDs O genoma humano tem o tamanho de 800 Bíblias ou 200 listas telefónicas. Mas, digitalizado, cabe num DVD. VIAGEM AO SOL Se todo o DNA de uma pessoa fosse esticado, seria possível fazer uma viagem de ida e volta para o Sol 600 vezes. TRALHA GENÉTICA A maior parte do DNA humano, 97%, é chamado de DNA tralha pelos cientistas porque não tem função. Porém, estudo recente mostra que essa tralha não merece ser desprezada. Um mundo de elementos com nomes estranhos, como pseudóginos e genes puladores, começa a ser desvendado. Imagina-se que tenham papel fundamental como maestros do genoma e da conservação da saúde do DNA. VELOCIDADE Hoje, um novo gene (com cerca de 12 mil bases) tem sua seqüência decifrada em um minuto. Há três anos eram necessários 20 minutos. Há 20 anos era tarefa para um ano. Tamanho avanço deve-se ao poder computacional - a Celera, por exemplo, tem o computador de uso civil mais poderoso do mundo - e ao desenvolvimento de softwares para decifrar os segredos do DNA. INCERTEZA Geneticistas de todo o mundo fazem apostas para saber exatamente quantos genes tem o homem. Até há pouco tempo acreditava-se que eram cerca de cem mil. Porém, pesquisas de geneticistas renomados indicam resultados díspares. Para alguns grupos, o Homo sapiens possui não mais do que 40 mil genes. Já para outros, esse número chega a 140 mil. Só com a versão final do seqüenciamento do genoma, esperada para 2003, o número verdadeiro deverá ser conhecido.