site da FAPESP
FAPESP na Mídia

Publicado em: Diário do Povo (Cidades) em 30 de Abril de 2000

'A INVENÇÃO DA RODA'

Por EDSON PEREIRA FILHO

Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) desenvolveu um método "ecologicamente correto" de gerar energia. Um grupo de pesquisadores, coordenado pelo professor da Faculdade de Engenharia Civil, Carlos Alberto Mariotoni, conseguiu produzir óleos, gases e produtos químicos que poderão ser utilizados na indústria a partir da reciclagem de pneus usados. O invento conta ainda, com o apoio de cientistas da Faculdade de Engenharia Mecânica da Unicamp. A descoberta é inédita no mundo. O Fundo de Apoio e Amparo à Pesquisa no Estado de São Paulo (Fapesp) investiu R$ 60 mil no projeto. Pesquisadores de diversos países vêm estudando há anos, na tentativa de chegar a novas soluções tecnológicas para a reciclagem de pneus. No Brasil, anualmente, são descartados cerca de 17 milhões de pneus. Na Comunidade Européia, estima-se que sejam geradas 1,5 milhão de toneladas por ano, na América do Norte, 2,5 milhões e 0,5 no Japão. As formas básicas de descarte são em pilhas a céu aberto, em aterros e no leito de rios, o que provoca sérios danos ambientais. A informação é do professor Mariotoni. Ele orienta o aluno Eduardo Antonio Goulart, idealizador do projeto da máquina que queima pneus carecas. Goulart explicou que o invento derrete o pneu, separando ao mesmo tempo os produtos da queima. "Este tipo de reator (máquina) é inédito no mundo", garantiu o pesquisador. Após o derretimento, é extraído do pneu velho óleo combustível para indústria, carbono (material utilizado na fabricação de pneus novos, também conhecido como negro fumo), PVC para indústria da construção civil e gases (metano e gás carbônico). Ele garantiu que o negócio é economicamente viável, já que pega a matéria-prima (pneu velho) sem custo algum e transforma em energia e produtos para a indústria em geral. A máquina que processa pneu ocupa 10 m2 de uma das dependências da Faculdade de Engenharia Civil. Segundo Mariotoni, recursos para a fabricação em escala industrial serão levantados nos próximos meses. O pesquisador informou que empresas privadas interessadas no negócio, que queiram conhecer e patrocinar o projeto, podem entrar em contato pelo telefone (19) 788 2306. Mariotoni explica que atualmente uma pequena parte dos pneus velhos é utilizada para fabricação de tapetes e para sola de sapatos. O professor informou que o pneu velho é uma grande fonte energética, porém está sem uma destinação mais "nobre" para sua reutilização no mundo. GIRO DA FORTUNA - US$ 1 ou R$ 1,84 é o preço para um proprietário de carro nos Estados Unidos se livrar de um pneu careca - 17 milhões de toneladas de pneus velhos são descartados no Brasil anualmente - 1,5 milhão de toneladas/ano de pneus são descartados pela Comunidade Européia - 0,5 milhão de toneladas/ano no Japão O QUE É APROVEITADO DA QUEIMA 00 PNEU? - 33% Carbono (utilizado para fabricação de pneus novos) - 33% Óleo combustível (utilizado para caldeiras e fornos da indústria de transformação) - 34% Gás (metano e carbônico, também utilizado pela indústria) Fonte: Faculdades de Engenharia Mecânica e Civil da Unicamp GARIMPEIROS TERÃO LUCROS O pneu careca também deverá ser o mais novo filão para os garimpeiros de lixo do próximo milênio. O negócio que poderá render até R$ 2,00 por unidade, segundo cálculos atuais, deverá atrair a atenção dos catadores de latinhas, que chegam a pegar 64 latas (1kg) para faturar R$ 1,15. Jogado no fundo de quintais, em terrenos baldios e empilhados em lixões e aterros sanitários, os pneus velhos representam uma ameaça concreta ao meio ambiente e a saúde pública. O Brasil deposita nestes locais 17 milhões de toneladas de pneus carecas todos os anos. Essa pilha que até então não valia nada, poderá começar a render dividendos para famílias carentes, se depender da máquina criada pela Faculdade de Engenharia Civil e de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). A geringonça vai queimar pneu careca, produzindo, entre outras coisas, óleo combustível para fornos e caldeiras de indústrias do País. O proprietário de um carro no Estados Unidos que queira se livrar de um pneu velho, chega a desembolsar de US$ 1 dólar (R$1,84), para que a borracharia fique com o 'incômodo'. A informação é do professor da Faculdade de Engenharia Civil, Carlos Alberto Mariotoni. Ele orienta o aluno Eduardo Antonio Goulart, idealizador do projeto da máquina que queima pneus carecas. Pelos cálculos de Mariotoni, os catadores poderão, num primeiro momento, pegar estes pneus nestes depósitos a céu aberto. "Depois as próprias borracharias, revendedoras e lojas vão ficar com o pneu careca. Essas empresas encaminharão o pneu velho para a fábrica que queimará o produto", prevê Mariotoni. O professor observa que o meio ambiente, principalmente córregos e aterros sanitários, sairão ganhando com a retirada de todo este lixo. (EPF)