site da FAPESP
FAPESP na Mídia

Publicado em: O Estado de S. Paulo (Metrópole) em 12 de Fevereiro de 2017

Grupo estuda ‘bafômetro’ para detectar diabete

Por Paula Felix

Jornal O Estado de S. Paulo noticia projeto do Centro de Pesquisa para o Desenvolvimento de Materiais Funcionais, um dos CEPIDs apoiados pela FAPESP, que visa a produção de um modelo de “bafômetro” para livrar os pacientes com diabete das incômodas picadas no dedo para verificar o índice de glicemia no sangue. O dispositivo não invasivo e indolor para detectar o nível de glicemia a partir de um simples sopro do diabético pode se tornar realidade em 4 anos.

SÃO PAULO - O objetivo era criar um sensor para detectar gases tóxicos, mas um grupo de pesquisadores brasileiros, franceses e espanhóis acabou desenvolvendo um modelo de “bafômetro” para livrar os pacientes com diabete das incômodas picadas no dedo para verificar o índice de glicemia no sangue. O projeto teve início em 2014 e, com os aprimoramentos previstos e testes clínicos, pode se tornar uma realidade em quatro anos.

O dispositivo consegue detectar o nível de glicemia no paciente por meio da acetona presente no hálito dele. Segundo Luis Fernando da Silva, professor do Departamento de Física da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), a acetona é exalada no hálito de todas as pessoas, mas aparece em maior quantidade nas pessoas com diabete. “O paciente com diabete tem um nível de acetona maior do que o de uma pessoa saudável. É quase o dobro.”

A ideia é que o dispositivo seja confeccionado como uma espécie de “bafômetro”. “Ele forneceria o nível de diabete sem a necessidade de um exame invasivo”, ressalta. Segundo o professor, o dispositivo utiliza o composto chamado tungstato de prata, que é sensível à acetona.

Aprimoramento. O pesquisador, que integra o Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais – núcleo ligado à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) –, diz que, embora o protótipo tenha se mostrado eficiente para detectar a substância mesmo em pequenas quantidades, ainda precisa de aprimoramentos. “Estamos estudando a vida média (do aparelho) e, até chegar à população, pode demorar em torno de quatro anos. Estamos pesquisando também materiais para ter uma ação melhor no caso de diabete.”

O grupo é formado por pesquisadores da UFSCar, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual do Piauí (UEP), Universitat Jaume I (Castellón, Espanha) e da Aix-Marseille Université (Marseille, França).